Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Queria? Já não quer?

Estabelecimento gerido por taberneiros armados em finos.

Queria? Já não quer?

Estabelecimento gerido por taberneiros armados em finos.

Apanhei com spoilers...

Actualmente existem diversas formas de consumir informação e entretenimento, e cada um pode optar pela forma que mais lhe convém ou agrada, assim como em que altura o faz. 

Há sempre aqueles que querem, e podem, estar a par de tudo na hora que está disponível; e aqueles que acumulam séries ou filmes, por exemplo, para verem quando têm tempo ou porque não aguentam esperar periodicamente por novo conteúdo, preferindo consumir com a frequência desejada e a bel prazer.

 

Toda esta escolha traz à baila um famigerado assunto: os spoilers. 

De quem é a responsabilidade de estragar o desfecho de algo tão aguardado? Quando se pode comentar certos acontecimentos? Não sei, não é algo sobre o qual tenha resposta; o que sei, é que quando fazem a festa à porta de casa e te estragam o clímax de algo que tanto aguardavas, só pode ser uma enorme falta de consideração. 

Façam a festa e festejem à vontade, mas não é necessário que o façam ou comentem em praça pública, ou que abram telejornais com informações relativas ao evento que estavas à espera de poder desfrutar na sua plenitude. 

 

Cabrões!

 

Eu sou uma pessoa ocupada, e como eu existem muitos. Além disso, há a acrescentar aqueles que, por problemas de saúde, não aguentam o doloroso sentimento de expectativa, mas, que mesmo assim, querem desfrutar dos grandes eventos, apenas minimizando um pouco o tempo de espera. 

O que quero dizer com isto? Caso não saibam, Portugal sagrou-se campeão europeu de futebol.

Ora, como já disse, sou uma pessoa ocupada e que não gosta muito de esperar, portanto, estava a guardar todos os jogos do Euro 2016 para ver assim que acabassem. Sim, eu não tenho paciência para ficar à espera dias e dias, durante um mês, por novos jogos; estava à espera que terminasse a competição para depois binge watch todo o europeu. 

O plano passava por evitar todas as informações sobre a competição e tirar férias esta semana para ver todo o europeu. Mas está tudo estragado! Não há respeito por ninguém e agora já sei tudo o que aconteceu. Que falta de consideração por pessoas como eu. Consegui evitar todas as informações durante um mês, só para no final me virem esfregar na cara o resultado final e quem tinha sido o campeão. Até as notícias me spoilaram. Milhares de pessoas a passarem-me à porta de casa a comentarem todos os pormenores! Agora já nem tenho vontade de ver, já sei tudo. Já sei que Portugal chega à final e a ganha no prolongamento com um golo do Éder (primeiro ainda pensei que era mentira, que sabiam que eu estava à espera para binge watch todo o euro e estavam a pregar-me uma partida, mas parece mesmo que é verdade), que o Ronaldo saiu lesionado, que houve um italiano a dançar sapateado em vez de marcar um penálti, que o Will Grigg nunca saiu do banco...

 

Yay

 

Já não bastava tudo o resto; toda a minha vida tem sido marcada por spoilers. Ainda me lembro quando os meus pais me estavam a contar como se conheceram e apaixonaram, mas eu nunca consegui ficar interessado e envolvido na história: já sabia o desfecho, já sabia que se casavam e viviam juntos e que tinham tido um filho. Estraga a emoção toda da descoberta, não há nenhum prazer em ouvir uma história assim, ao já saber o desfecho.

 

Pronto, parabéns à selecção, então. Gostava de ter visto e vivido como devia ser, mas decidiram estragar-me a surpresa. É que até os próprios intervenientes foram para a rua revelar o final a toda a gente. 

Tantos twists e revelações inesperadas e eu fui privado da alegria de as viver porque as pessoas não têm consideração. Digam não aos spoilers, por favor. Já me tinha acontecido o mesmo com o campeonato nacional, em que descobri o Benfica a ser campeão da mesma forma. 

 

Como se agora não pudesse fazer binge watch de campeonatos inteiros, tenho de me sujeitar a vê-los quando vocês quiserem...

 

 

Porquê tanta gente na rua?

Desculpem, adormeci ontem por volta das 19:58h e só acordei há bocado.

Estive a descansar porque tive um fim-de-semana de trabalho infernal. Mas, pelos vistos, não tanto como se adivinha a próxima semana, porque quando acordei as ruas estavam cheias de gente a gritar e a gesticular muito...

 

Seriam os lesados do BES?

 

A malta dos colégios privados?

 

Ou será que dormi quatro anos e meio e o Marcelo foi eleito outra vez?

 

19190347_GqHmb.jpeg

(Pouca) Força, Portugal!

Este blogue ainda não falou sobre os jogos do Euro 2016.

Sim, eu sei, é uma falha nossa! Para um blogue que se autodenomina uma "espécie de taberna", é impensável que não se fale acerca do assunto que é o apogeu das tabernas: a Selecção Portuguesa de Futebol.

 

340.jpgE os belos dos bigodes que lhes faltam.

 

Não sei se alguém aqui irá falar sobre o assunto, mas eu adianto-me já: não aprecio o Euro 2016.

Aliás, não aprecio nenhum Euro, além dos que me caem na carteira...

No fundo, não aprecio nenhuma competição desportiva internacional que envolva um aglomerado dos supostos melhores jogadores de cada país.

Porque se esses já são, lá está, os melhores dos melhores, então porque é que hão-de estar a esforçar-se?

 

Se querem realmente ver um bom espectáculo, coloquem os piores ou mais medianos jogadores de cada país a jogar uns contra os outros. Aí sim, vão ver o que é esforço, vontade de fazer melhor e querer dar a volta ao resultado!

Presenciaríamos jogos que poderiam não ser os melhores em termos técnicos, mas que seriam certamente os melhores em termos de espectáculo.

 

000-soccer-smash.jpg"Espectáááculo!"

 

Mas, enquanto assim não for, irei sempre continuar a não apreciar as competições desportivas entre países.

A não ser que sejam competições femininas. Aí até farei um esforço. Porque sou, no fundo, um porco machista cavalheiro.

Quem é que ainda liga às mascotes?

Agora que o Euro 2016 se aproxima, e num dia em que a Selecção Nacional de Portugal joga a última partida de preparação antes da competição à séria, podemos falar de mascotes?

 

Podemos, pois!

Afinal, o blogue é nosso.

 

Ora, alguém me elucide: quem raio é este gajo que serve de mascote para o europeu de França?!

 

d1-2048x1536.jpgParece um órfão ganzado.

 

Mais ainda: quem raio são as mascotes que representaram Portugal no Mundial de 2014 e porque é que elas existiram, se nem éramos nós os anfitriões da competição?!

 

mascot.jpgParecem deficientes motores. Só isso.
O que é chato quando o tema é futebol.

 

Admito que não dou atenção suficiente às mascotes desta vida.

É assim tanto com as da Selecção como com os famosos pirilampos mágicos, por exemplo. Simplesmente não me apelam.

 

A única mascote que até me diz alguma coisa, porque foi-me oferecida em forma de peluche numa bomba de gasolina e eu passava-me com viagens de carro quando era miúdo, é o Kinas, a mascote da Selecção Nacional para o Euro 2004.

 

1556451_w2.jpgParece um gato? Um rato? Os dois?

 

E mesmo essa mascote só entra vagamente na memória dos portugueses porque o evento teve um grande impacto por cá, pois, caso contrário, ninguém se lembrava dela!

 

Acontece o mesmo com o Gil da Expo 98, com os seus braços sempre abertos para nos abraçar.

Quem é que ainda liga ao gajo?

 

ng5353519.JPGMuito pouca gente, pelos vistos...

O jornalismo (ainda) NÃO está morto!

Muitas vezes falamos mal dos órgãos de comunicação social portugueses (pelo menos eu falo...) mas, desta vez, tenho de dar a mão à palmatória (seja lá o que isso for).

 

jj.png

 

Quando uma estação de televisão dá tanta importância à exactidão das declarações que recolhe - JJ disse "'teve" e eles transcreveram, realmente, "'teve" -, então ficamos a saber que o jornalismo ainda vai num bom caminho.

 

Obrigado, TVI24.

Obrigado!

Os jovens não comem elogios.

Os jovens portugueses não se alimentam de elogios.

O que é pena, porque parece que é a única coisa que lhes estão dispostos a dar.

 

Todos os dias, a toda a hora, há quem elogie os jovens portugueses: ou porque são muito trabalhadores, ou porque são grandes empreendedores, ou porque não têm medo de ir para fora e seguir com a sua vida, etc.

Também há quem diga que chulam os pais e que estão sempre agarrados ao telemóvel sem saber ainda o que é a vida, mas isso são contas de outro rosário.

 

GroupOfGirlsOnCellPhones-850x400.jpgTêm alguma razão, vá...

 

O problema é que esses elogios que os jovens recebem não se transformam em dinheiro - numa compensação real e palpável pelos seus esforços - e eles acabam por desmotivar. E depois, lá está, são considerados calões!

Se os elogios fossem comestíveis, então meu Deus... Era ver os jovens portugueses todos balofos, a vangloriar-se de terem comido até ao fim o grande elogio que haviam recebido do seu chefe meia-hora antes.

 

Infelizmente, não é bem assim.

 

Os jovens não conseguem gerir a sua vida só com um "Muito bem!", com um "Bom trabalho!" ou com a afamada "acumulação de experiência". A experiência é uma coisa muito bonita de se oferecer, mas não paga as contas que as pessoas têm no correio ou o carro que as leva para o trabalho (a menos que o seu trabalho seja mesmo roubar carros; nesse caso, até beneficia acumular experiência).

 

Tive uma ideia: em vez de elogiarem os jovens portugueses, dêem-lhes uma pastilha de morango de cada vez que eles fizerem um bom trabalho.

Não lhes vai matar a fome, mas dá-lhes algo para trincar enquanto fazem contas à vida.

Mito do Sebastianismo - Parte 2

Portanto, parece que isto aconteceu.

 

Para quem não tem paciência de ir ler a notícia, o que há a saber é que a estátua de D. Sebastião que se encontrava na estação do Rossio, em Lisboa, foi destruída por um walking vegetable a tentar tirar uma foto.

 

AntesAntesAntes

 

 

Mesmo assim, com fotos e todas as provas, ainda não estou convencido.

 

Eu acredito.

 

Acredito que a estátua ainda se encontra inteira e que voltará a aparecer no seu posto! Numa manhã de nevoeiro, quando mais precisarmos, ela lá estará.

 

Por exemplo, quando nos encontrarmos com alguém - que não conhecemos muito bem - na estação e precisarmos de fazer conversa de circunstância.